Sempre que vamos até um consultório médico ou em algum hospital para uma consulta, é quase certeza que sairemos de lá com uma prescrição de algum medicamento ou tratamento, certo? Mas você sabe o que deve constar na prescrição médica? 

Pode acontecer com médicos recém-formados, com pouca experiência ou até mesmo no meio de um dia agitado, o esquecimento de preencher na receita médica algum detalhe importante, como a data da receita, por exemplo. Ou até mesmo ficar na dúvida de como fazer uma receita médica completinha.  Para alguns medicamentos talvez não ocasione nada grave, mas para determinados tratamentos é primordial. 

Imagine que você precise tomar um medicamento para repor o ferro no organismo por quatro semanas. Vai até a Unidade Básica de Saúde com a receita sem data. É certo que você terá que voltar para casa sem ter tomado a medicação. 

Isso porque a equipe de enfermagem não pode aplicar o medicamento com receita faltando essa informação. Um dos motivos é que ela pode ter uma validade e outro é que ela perderá o controle das aplicações realizadas. 

Dessa forma, se você soubesse que essa era uma informação crucial para o tratamento, você poderia ter lembrado o médico de colocá-la, certo? E, se você é médico, nem precisamos dizer que o cuidado deve ser redobrado, não é mesmo? 

Mas esse é um exemplo bem simples e que não acarreta em tantos danos. Por outro lado, alguns erros podem comprometer a segurança do paciente, como uma decisão errada de medicamento. Portanto, saber como fazer uma receita médica em cada ponto ajuda a reduzir danos ao paciente. 

Leia também: Prescrição médica digital quebra paradigmas na área da saúde

Para ajudar a se livrar de situações como essa, montamos um passo a passo com o que deve constar na prescrição médica. Veja a seguir. 

Como fazer uma receita médica: 6 passos

Saber como fazer uma receita médica e entender o que deve constar na prescrição médica é o primeiro passo para tudo dar certo, não é mesmo? Afinal de contas, precisamos aprender na teoria, para depois colocar em prática. 

Uma das maneiras de realizar uma prescrição da forma correta é sugerida pelo Guia para a Boa Prescrição Médica, da Organização Mundial de Saúde (OMS). São 6 passos que podem ser incluídos em qualquer treinamento, são eles:

1. Constatar o problema do paciente

Ao realizar uma boa anamnese é possível identificar com mais clareza o que o paciente precisa. Nesse caso, para se ter uma boa prescrição de medicamentos, por exemplo, é fundamental que o paciente também colabore dizendo com detalhes tudo que ele sente e o histórico da sua saúde.

Neste passo é hora também de definir o tipo de prescrição médica, ou seja, de acordo com os medicamentos ou exames solicitados será necessário saber qual o receituário será utilizado. 

2. Esclarecer o objetivo terapêutico

O médico deve esclarecer ao paciente sobre sua hipótese diagnóstica, condição de saúde ou prognóstico e, dependendo das dúvidas e do esclarecimento do paciente acerca da sua condição, incrementar a receita com orientações ou outros itens que o auxiliem a fazer o tratamento corretamente. A partir do entendimento do paciente, o médico possui os primeiros subsídios para elaborar a prescrição para o paciente.

Além de a prescrição ser escrita com clareza, o médico precisa explicar para a pessoa seu tratamento e, caso ela não entenda, é seu dever e direito solicitar uma nova explicação.  

3. Escolher o medicamento 

A prescrição do medicamento deve ser feita levando em consideração a eficácia, a segurança, o custo, além da conveniência. É necessário avaliar tudo isso para que haja a correta adesão do paciente ao tratamento.

4. Redigir a prescrição de maneira clara e precisa

Quem nunca pegou uma receita e não entendeu nada do que estava escrito ali? Se não fossem os farmacêuticos que já estão acostumados com os medicamentos certamente teria tomado medicação errada, não é mesmo? 

Estima-se que cerca de 7% das prescrições manuais elaboradas em ambiente hospitalar apresentam erros, de acordo com o Boletim ISMP. Os mais comuns deles são:

  • Dose incorreta, 
  • Prescrições incompletas, 
  • Ilegibilidade, 
  • Intervalos de dosagem inadequados e
  • Erros de transcrição.

Por isso, esse passo de como preencher uma receita médica é tão importante, principalmente no que diz respeito à segurança do paciente. Uma das formas de evitar erros ou, ao menos, minimizá-los é utilizando a receita digital. Hoje em dia existem plataformas simples, como a Memed, que possibilitam isso. 

Com ela, além de enviar a prescrição de medicamentos para o celular do paciente, ele ainda pode comprar os remédios online e com desconto. São muitos benefícios. 

Leia também: Como a Memed ajuda a evitar erros de prescrição

5. Passar as informações ao paciente

Depois que a receita estiver pronta, é hora de fornecer todas as informações ao paciente. Tanto sobre o resultado da sua anamnese, como tudo sobre o tratamento a ser feito. 

Mesmo que a receita seja digital é preciso explicar com objetividade tudo que deve ser feito. Da mesma forma, se o paciente não entender ele deve perguntar ao médico qualquer dúvida que tenha. 

Esse é um tema tão delicado que a OMS criou uma campanha da medicação sem danos e mostra esses direitos do paciente e como ele e o médico podem contribuir para evitar os danos. Veja no vídeo abaixo: 

6. Monitorar o tratamento

A consulta é apenas o primeiro passo para o tratamento do paciente. Dessa forma, é crucial que o médico esteja atento e monitore o paciente para saber se está seguindo o tratamento corretamente.

Agora que você viu o que deve constar na prescrição médica, um exemplo de prescrição médica bem feita deve ter, de uma forma geral: 

  • Letra legível, sem rasuras e emendas; 
  • Identificação do paciente; 
  • Nome do medicamento, com a concentração, dosagem, forma farmacêutica e quantidade a ser administrada;
  • Como o paciente vai usar o medicamento; 
  • Duração do tratamento; 
  • Local e data da emissão; 
  • Assinatura e identificação do médico com seu número de registro e carimbo.

Agora que você já viu o que deve constar na prescrição médica, já consegue avaliar quais são os seus direitos enquanto paciente. Já se você é médico, possui mais conhecimento e ferramentas para melhorar seu processo de atendimento. 

Quer ficar por dentro de outras curiosidades e aprender ainda mais? Continue acompanhando nosso blog. Você também pode gostar de saber como funciona a Lei Geral de Proteção de Dados