As deficiências no setor de saúde e as inovações no campo da tecnologia criaram um ambiente favorável ao surgimento e ao desenvolvimento das chamadas healthtechs brasileiras.

Mas o que são helalthtechs, afinal? 

Essas empresas propõem soluções que tem transformado a assistência na saúde, preenchendo lacunas na prevenção, no diagnóstico e no tratamento de doenças.

Neste artigo, vamos explicar o que significa healthtech, o que esse tipo de empresa oferece e por que elas são importantes.

Continue a leitura até o final para conferir também como anda o mercado de startups de healthtechs brasileiras, quais os principais desafios enfrentados e as tendências do setor.

Leia também: Pesquisa com médicos da Memed revela preferência por plataformas de prescrição inteligente

Healthtech: o que é?

Podemos definir o que é healthtech como uma empresa startup que se dedica a desenvolver soluções tecnológicas para atender as demandas do setor de saúde.

Para que você possa entender melhor o que é healthtech, é importante falarmos primeiro o que significa healthtech.

“Health” significa “saúde” e “tech” é abreviação para “technology” e significa “tecnologia”.

Ou seja, as healthtechs são empresas que combinam saúde e tecnologia para desenvolver e comercializar soluções inovadoras voltadas não apenas para o autocuidado e prevenção de doenças, mas também para o diagnóstico e tratamento.

Recursos tecnológicos, como inteligência artificial, computação na nuvem, big data, integrações de sistemas e dispositivos vestíveis, são utilizados para monitorar pacientes, realizar consultas remotas, receitar medicamentos digitalmente, criar um prontuário eletrônico, fazer exames de imagem mais precisos, entre outras soluções.

Leia mais: Ecossistema digital de saúde: o que é e como funciona?

Qual a importância das helthtechs?

As healthtechs são importantes por vários motivos. Em primeiro lugar, essas empresas oferecem soluções que podem ajudar de forma significativa a atenção primária.

É possível, por exemplo, que os pacientes se consultem à distância com os médicos e evitem sobrecarregar hospitais e unidades básicas de saúde sem necessidade. 

Existem também softwares que prometem otimizar a gestão dos serviços de saúde em clínicas, hospitais e consultórios particulares, integrando os diferentes departamentos.

Já outras fintechs desenvolvem soluções com foco no autocuidado, como é o caso de aplicativos que alertam o paciente quando está na hora de tomar o medicamento.

E há também aquelas dedicadas a ajudar empresas a melhorar a saúde de seus colaboradores, indicam planos de saúde, por exemplo.

A Memed, por exemplo, ajuda os médicos a agilizarem a rotina de prescrição medicamentosa oferecendo uma plataforma para emissão de receituário digital.

A digitalização não só da receita mas também do prontuário dos pacientes é importante para evitar erros e perdas de documentos importantes e facilitar a compreensão dos pacientes que muitas vezes é prejudicada pela letra ilegível.

Veja mais: Atestado médico digital: como funciona e quais os benefícios deste serviço?

Este vídeo fala da importância que a recita digital teve no Brasil, durante a pandemia, confira:

Healthtechs brasileiras: mercado, desafios e tendências

Agora que você já sabe o que é healthtech e sua importância, é hora de falarmos sobre o mercado dessas startups, os desafios e as tendências para esse setor.

Mercado de healthtechs no Brasil

O mercado de healthtechs é bastante promissor no Brasil. Segundo o relatório Distrito HealthTech Report 2020, o país conta com 542 healthtechs em operação.

Em 2018, esse número era de 248 startups de healthtech. Isso mostra que, apesar de novo, esse mercado ainda tem muito potencial de crescimento

O mesmo relatório mostra que, somente no Brasil, as healthtechs já captaram mais de US$ 430 milhões em investimentos.

Este infográfico presente no estudo mostra as diversas searas em que as healthtecs estão presentes:

o que é healthtech

Desafios das healthtechs brasileiras

Apesar desse mercado ter crescido significativamente nos últimos anos, as healthtechs ainda enfrentam dificuldades em conseguir aporte financeiro justamente por atuarem com soluções disruptivas e que vão de encontro a um modelo de assistência já consolidado, ainda que imperfeito.

Outro desafio se refere à resistência de profissionais da saúde, das instituições médicas e também dos pacientes a novos formatos de assistência que se pautam muito nas inovações tecnológicas.

A verdade é que é preciso educar profissionais e pacientes sobre a eficiência dessas tecnologias quando usadas adequadamente na área de saúde.

Da mesma forma que há certo tempo algumas pessoas tinham receio de fazer compra online, algo que hoje diminuiu bastante, na área das healthtechs essa resistência tende a se diluir com o tempo, consolidando o setor definitivamente.

Veja também: A transformação digital é sobre pessoas

Principais tendências das healthtechs

Embora haja desafios, o futuro das startups de healthtechs é bastante promissor. Uma das tendências para esse setor é o uso de big data, inteligência artificial e machine learning com foco na prevenção de doenças e promoção do autocuidado.

Outro aspecto que tende a se consolidar cada vez mais se refere ao uso de realidade virtual para construir hipóteses diagnósticas e conduzir tratamentos, especialmente aqueles relacionados à saúde mental.

A gente selecionou um vídeo para você, da Cubo, mostrando mais detalhes sobre algumas tendências das healthtechs no Brasil:

Bom, espero que tenha ficado claro para você o que é healthtech e como essas empresas podem contribuir para o ecossistema da saúde.

Estes artigos também podem interessar a você:

A Memed é uma plataforma de prescrição digital GRATUITA que ajuda médicos e pacientes por meio da automatização das receitas e uso de inteligência artificial. Entre outros benefícios, alerta no caso de interações medicamentosas e conta com base de dados com bulas e tratamentos. A receita vai direto para o celular do paciente, via SMS ou WhatsApp.