Esse é um grave problema de saúde pública no Brasil e pode até mesmo levar à morte. Mas afinal, o que é a intoxicação medicamentosa? Como tratar e o que devo fazer caso aconteça? É sobre isso que vamos abordar neste artigo. 

De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFM) foram notificados mais de 560 mil casos de intoxicação no Brasil entre os anos de 2010 e 2017. Desse total, mais de 50% foram em decorrência de overdose de medicamentos, resultando na intoxicação medicamentosa. No entanto, esse número pode ser ainda maior, já que pode ter havido casos que não foram notificados. 

Mas, afinal de contas, o que é intoxicação medicamentosa, então? Como fazer em caso de intoxicação? 

O que é intoxicação medicamentosa?

A intoxicação medicamentosa acontece quando há a ingestão de altas doses de um medicamento ou quando um medicamento é administrado junto com outro medicamento, bebida ou alimento que resulta em uma interação que causa toxicidade. 

Essa overdose de medicamentos pode acontecer sem a intenção, ou seja, acidentalmente, quando a pessoa pode se equivocar com a quantidade a ser administrada. Sabe quando o médico escreve de uma forma que você não consegue ler e também não confirma a dose a ser tomada? É bem comum acontecer, não é mesmo? 

Nesse caso, uma forma de reduzir as chances de erros como este é usando uma receita digital, como a da Memed, por exemplo. Ela é uma plataforma de prescrição médica digital gratuita e oferece mais 85 mil itens cadastrados, com isso ninguém terá dúvida quanto à letra do médico. 

Outra situação que pode gerar intoxicação medicamentosa é quando o paciente se automedica e não conhece a dose certa a ser tomada. É só aparecerem os primeiros sintomas de gripe que já corremos para a farmácia buscar algo para aliviar os sintomas. Quem nunca fez isso? 

Mas, também podem acontecer casos extremos, quando a pessoa toma uma dose elevada de medicamentos conscientemente em uma tentativa de suicídio, por exemplo. 

Diversos tipos de medicamentos podem causar intoxicação. No entanto, os mais frequentes são os sedativos, hipnóticos, antidepressivos, anti-inflamatórios e opióides que são comumente utilizados para tratar dor, insônia, inflamação, ansiedade e depressão.  

A maior incidência de intoxicação medicamentosa acontece com os medicamentos que agem no sistema nervoso central, como os utilizados em tratamento de ansiedade, depressão e transtornos de humor. 

Em segundo lugar estão aqueles que compramos sem prescrição nas farmácias, como analgésicos e anti-inflamatórios. Na sequência estão os antialérgicos e antigripais.

Até os remédios que muitas vezes achamos “inofensivos” podem ocasionar danos. Isso porque eles são remédios e não podem ser usados de forma indiscriminada, é preciso haver a atenção na administração.

Quando chegamos a esses extremos e acontece a intoxicação medicamentosa um médico deve ser procurado imediatamente, pois em qualquer situação, esse é considerado um caso grave. Para isso, é preciso identificar os sintomas da intoxicação medicamentosa. Dessa forma, se alguém apresenta dois ou mais dos sintomas listados a seguir, já é indicado que procure ajuda. Veja quais são alguns sintomas possíveis. 

Sintomas da intoxicação medicamentosa

Agora que você já sabe o que é intoxicação medicamentosa, é importante entender na prática como ela se manifesta. Por isso, ao passar por algumas das situações citadas acima é bom ficar atento aos sintomas da intoxicação medicamentosa para tomar uma atitude rápida, alguns deles são: 

 

  • Vômitos;
  • Diarréia;
  • Sonolência;
  • Tontura;
  • Palpitação;
  • Queimação na boca e no estômago;
  • Mudança na cor dos lábios; 
  • Sudorese excessiva;
  • Convulsões; 
  • Dificuldade de respiração;
  • Perda de equilíbrio;
  • Confusão mental; 
  • Perda de consciência.

Aí você percebeu que você ou alguém que conhece está com sintomas de intoxicação de remédio e ficou se perguntando o que fazer nesse caso. Afinal, tem algo que pode ser feito em casa? 

Leia também: Erros de prescrição e como a Memed te ajuda a evitá-los

O que fazer quando ocorre a intoxicação por medicamentos?

Existem algumas ideias e costumes que são passados popularmente sobre intoxicação por medicamentos e o que fazer quando acontece, como tomar leite ou induzir o vômito. Contudo, é importante ressaltar que nenhuma dessas duas ações devem ser feitas, bem como nenhum alimento ou líquido deve ser oferecido para quem está intoxicado. 

Quem vai dizer como tratar a intoxicação medicamentosa é um médico. Portanto, nesse caso, quando há suspeita de intoxicação por medicamento, a pessoa deve ser levada a um pronto atendimento. 

O médico vai analisar a composição e a dose do medicamento administrado para ver qual será o melhor tratamento, como, por exemplo, utilizar antídotos para neutralizar a ação do medicamento. Outra ação que pode ser tomada pelo médico é a lavagem gástrica. O tratamento vai depender de cada caso específico. 

Além disso, se não tiver um pronto-atendimento próximo ou quiser adiantar o procedimento,  também é possível entrar em contato com o Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas (Sinitox) pelo número de telefone nacional: 0800-722 6001. Você pode receber um suporte rápido, mas vale lembrar que deve procurar um médico para realizar uma consulta mais aprofundada. 

 Leia também: Farmácias que aceitam as receitas digitais

Agora que você viu o que é intoxicação medicamentosa, os sintomas e como tratar, pode estar se perguntando… Mas se é algo tão sério assim, qual a melhor forma de evitar, quando estamos falando de intoxicação acidental ou por automedicação? 

Algumas dicas simples podem ajudar, caso você esteja com dúvida. Por exemplo, leia a bula dos remédios antes de tomá-los ou evite usar remédio sem prescrição médica. Outra dica importante é com relação às crianças. 

Muitas vezes para conseguir que uma criança tome determinado remédio podemos dizer que é gostoso ou que é docinho. Contudo, isso pode induzi-la a querer consumir mais ou até mesmo tomar sem o seu conhecimento se estiver ao alcance dela. 

Além disso, caso não consiga entender a letra do médico é preferível que você solicite outra receita legível do que tome a quantidade que acha que é. Se isso acontecer, você pode até mesmo pedir uma receita digital, como a da Memed. Ela traz recursos extras para apoio ao médico. 

Com ela é possível saber quando um medicamento interage com outro, por exemplo, ou até quando o paciente tem alergia a algum princípio ativo do medicamento receitado – tudo em tempo real. Também é possível verificar o medicamento em farmácias parceiras e fazer a compra online. 

Gostou deste artigo? Continue lendo o blog da Memed. Você também pode gostar deste artigo: Quais as vantagens do comércio de medicamentos online?