21.1.2020

Novas tecnologias para o engajamento do médico e do paciente

Uma pesquisa realizada com 2.428 consumidores norte-americanos e 158 médicos, pela empresa de consultoria EY, descobriu que ambos os grupos desejam adotar novas tecnologias para melhorar o engajamento.

A maioria dos médicos pesquisados (68%) acredita estar preparada para prestar cuidados de qualidade em meio a uma indústria em transformação, o que inclui uma crescente concorrência de pontos de venda como a rede de medicamentos CVS. A rede de farmácias anunciou recentemente um novo foco no gerenciamento de doenças crônicas, oferecendo serviços como coleta de sangue e avaliações de apneia do sono.

"Está claro em nossa pesquisa que os consumidores e médicos dos EUA valorizam a conveniência e não estão engajando com a tecnologia fragmentada que foi implementada em todo o ecossistema da saúde", disse Carole Faig, Líder de Saúde dos EUA da EY, em um comunicado à imprensa. "O que é necessário é uma experiência do consumidor verdadeiramente integrada".

Segundo a pesquisa, muitos médicos estão usando algumas tecnologias de saúde, como mensagens seguras (62%), portais de pacientes (60%) e suporte a decisões clínicas (44%).

Os pacientes estão interessados em tecnologias que os ajudam a gerenciar sua saúde e se envolver com seus médicos. A maioria dos pacientes (68%) deseja marcar uma consulta on-line e 54% gostariam de se comunicar eletronicamente com seu médico. Questionados se atualmente usam essas tecnologias, 31% indicaram que marcam consultas on-line, 26% fazem o registro on-line e 30% pagam as despesas com saúde on-line. Essa desconexão entre o desejo de formas específicas de engajamento e o uso real indica que os pacientes desejam ser apoiados pelas ferramentas que proporcionam uma experiência holística conveniente, de acordo com a EY.

Quando perguntados sobre o desempenho geral do sistema de saúde dos EUA, os pacientes estão, de modo geral, divididos. 39% avaliam o desempenho geral como positivo, enquanto 41% vêem o desempenho como ruim. Os resultados também mostram que as gerações mais jovens (49%) são mais críticas em relação à sua saúde e ao sistema de saúde do que os pacientes mais velhos (28%).

Segundo Faig, a diferença provavelmente é motivada por problemas percebidos de acessibilidade financeira ao sistema. Isso é confirmado pelos dados da pesquisa: o custo dos prêmios é considerado o fator mais importante ao selecionar um plano de seguro (40%) para os pacientes dos EUA.

Privacidade e compartilhamento de dados são preocupações, mas os pacientes estão cada vez mais abertos a compartilhar seus dados de saúde com médicos (82%).

Muitos vêem a tecnologia relacionada à saúde como soluções atraentes para melhorar a saúde e o bem-estar (42%) e para acessibilidade a informações abrangentes e individuais sobre saúde (39%).

Embora os pacientes geralmente sejam abertos sobre o compartilhamento de dados com os médicos, eles hesitam mais em compartilhar informações com fontes pagadoras (44%), empregadores (18%) e varejistas on-line (10%).

Compartilhe:
Saiba mais
Posts Relacionados